Os desafios na gestão de pessoas

Quarta-feira, 12/04/2017, às 06:00
Em época de contenção de gastos em área considerada estratégica nas organizações, o desenvolvimento e a gestão de pessoas acabam não sendo priorizados. Ações que não se tornam estranhas, haja vista que, mesmo em tempos de bonança, a dedicação vem acompanhada de restrições. Só sabe e sente quem atua nas respectivas áreas. E como da necessidade nascem os grandes inventos e ideias, o Grupo de Desenvolvimento do Servidor Fazendário (GDFAZ) não se deixa abater, transformando os ensaios e os debates em produtos consistentes com aplicações práticas. No linguajar, fazer do limão uma deliciosa limonada.

Na 60ª reunião do Gefaz, ocorrida na última semana, em Cuiabá-MT, representantes de 17 Estados discutiram as ações para aprimorar e fortalecer o papel estratégico da gestão de pessoas nas unidades federadas.

Durante a abertura, a subcoordenadora do GDFAZ, Iolanda de Carvalho Barbosa, afirmou que a harmonia do grupo facilita a disseminação do trabalho em todos os Estados. E conclui dizendo: “É importante essa proximidade entre os participantes para que se desenvolvam projetos de qualidade aos servidores, incentivando-os e mostrando a necessidade de cada um entender o seu verdadeiro papel na instituição”.

Outro momento importante foi a palestra sobre “Mapeamento Comportamental dos Gestores Públicos de Mato Grosso”, um projeto desenvolvido pela empresa Ólami Expertise em Pessoas e Recursos Humanos. O plano mapeou mil gestores do Poder Executivo estadual, 100 deles da Secretaria da Fazenda.

Uma inovação que a Fazenda estadual oferece às demais unidades, permitindo uma melhor adequação da gestão disponível, quer sejam integrantes do quadro efetivo ou comissionados. Definindo então a pessoa certa para a função certa, sem esquecer-se da necessidade de submetê-los atualizados e capacitados aos enfrentamentos dos desafios.

 

Elaboração de manuais

Uma das propostas da reunião é a criação de manuais digitais versando sobre determinado tema exaustivamente discutido e trabalhado por um grupo de colaboradores. O objetivo maior na construção do manual é torná-lo claro e objetivo de tal sorte que ao ser consultado não apresente dúvidas quanto a sua interpretação, com isso possibilitando que interessados possam se espelhar buscando encontrar formas de como implementá-los. Até o presente momento três manuais encontram-se em condições de acesso: “Ensino a Distância”, “Qualidade de Vida” e “Gestão por Competência”.

Força de trabalho

O esvaziamento das repartições fazendárias, com as saídas por aposentadoria, vem complicando o desenvolvimento dos trabalhos fiscais. A adequação do quadro, pela sua legalidade, não se dará pelo concurso de acesso. Considerando os limites dos gastos estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal, formam barreiras para a realização de concurso público de provas. Os estudos sobre o dimensionamento da força de trabalho dos órgãos são ferramentas importantes para mensurar, avaliar e definir áreas e setores carentes ou com excedentes de profissionais. O manual em construção que trata da “Força de Trabalho nas Instituições” deverá ser disponibilizado em fins de novembro a todas as unidades federadas. Integram o grupo membros da Bahia, de Pernambuco e de Santa Catarina, a qual detém a coordenação.

Refletindo

Aos amigos leitores, uma feliz e santa Páscoa. Uma ótima semana!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *