Escândalos: até quando?

Quarta-feira, 22/03/2017, às 06:00

Há pouco tempo empresas do ramo de laticínios foram pegas “misturando” soda cáustica para reaproveitamento do leite com validade vencida nos Estados do Sul. Uma série de providências foi tomada: empresários presos, produtos incinerados e consumidores a descoberto, sem saber qual marca adquirir. Um enorme prejuízo ao setor e à saúde humana. O tempo encarregou-se da acomodação dos empresários, do mercado e da população. Por pouco tempo, pois os fatos acabaram de se repetir no vizinho Rio Grande do Sul. Também não é de hoje que em vistorias em abatedouros, supermercados e congêneres de menor expressão são apreendidos produtos impróprios ao consumo humano. As consequências são idênticas. Passada a tempestade, vem a bonança e tudo acaba no esquecimento.

E agora ressurge, numa graduação superior, envolvendo peixe graúdo, o malfadado reaproveitamento de carnes e derivados com validade vencida ou misturados com outros ingredientes e produtos, sem permissão pelos serviços de inspeção sanitária.

A operação Carne Fraca, que desnudou o forte esquema de corrupção envolvendo propinas para burlar a fiscalização em frigoríficos, expõe a nação a mais um escândalo com consequências desastrosas para o mercado, a economia e a saúde humana. Que os responsáveis do setor público ou da iniciativa privada sejam punidos exemplarmente.

 

Sonegação fiscal

Como se não bastasse, recentemente outro grande escândalo foi deflagrado. Trata-se da operação F7, que investiga organização criminosa responsável por desenvolver um software de ERP (para gestão das operações de uma empresa). Participaram dos trabalhos profissionais das Secretarias da Fazenda de SC, do PR e de SP, da Receita Federal do Brasil e da Polícia Civil de SC. Segundo especialistas, um dos módulos é capaz de controlar as vendas das empresas sem a emissão de notas fiscais ou com documentos fiscais em quantidade e valores inferiores aos realmente faturados. Detectou-se também pagamento de comissões sobre vendas sem notas fiscais, beneficiando usuários do sistema. Esse procedimento mata a concorrência leal que cumpre com as obrigações tributárias. Mais um trabalho gigantesco de subfaturamento para os auditores fiscais. Calcula-se que as empresas e clientes beneficiados e que estão sob investigação tenham sonegado em impostos valores superiores a 1 bilhão de reais.

180 anos de Fazenda

Um registro à nossa casa, que completou 180 anos na última segunda-feira e que recebeu como prêmio o reconhecimento do governo e da sociedade catarinense pelos serviços prestados. Aos servidores do passado e do presente que contribuíram e que abraçam a tão nobre causa fazendária, os parabéns, pois “os desafios nos movem”.

Retorno de férias 

Agradecendo à equipe em nome da servidora e colega Antônia Jovelino Florindo, que por 15 dias conduziu os trabalhos na Esfaz. A reoxigenação nos permitirá atender aos desafios que 2017 nos apresenta.

Caminho do Sul

Iniciou ontem, na cidade de São Leopoldo-RS (santuário do Padre Réus), o 3º Caminho do Sul, com a participação de oito peregrinos. O trajeto, de 680 km, com passagem por diversas cidades gaúchas e catarinenses, se integrará em Imbituba (8/4) ao 16º Caminho das Santas (com 35 peregrinos). A chegada a Nova Trento (terra de Sta. Paulina) será em 14 de abril. Aos participantes, uma excelente jornada.

Refletindo

“Que as frases de efeito veiculadas na mídia que tratam da fraude na carne sejam realmente praticadas na sua essência.” Uma ótima semana!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *