Fazenda tem novos dirigentes

Quarta-feira, 28/12/2016, às 06:00

Em fim de exercício são comuns as trocas de comandos nas organizações. Alguns, por motivos particulares; outros, por necessidade de ajustes profissionais e/ou políticos, principalmente; e outros, ainda, pela satisfação do dever cumprido. Na Secretaria da Fazenda, pelo que consta, as razões das mudanças foram as anunciadas no terceiro motivo, ou seja, a iniciativa partiu do interessado.

No cargo de secretário-adjunto, Almir José Gorges, afinado com o comandante-mor, Antônio Marcos Gavazzoni, vinha tocando, a todo o vapor, a nau fazendária. Afirmava que sua missão estava cumprida, ainda que duvidassem pelo fato de em dois anos finalizar a atual gestão. Não teve jeito. Gorges partiu em busca de projeto particular. Em seu lugar assume em janeiro o colega e auditor fiscal Renato Dias Marques de Lacerda. Da Cidade Maravilhosa e vivendo nestas plagas há mais de 20 anos, Lacerda tem se demonstrado um profissional altamente gabaritado ao exercício do cargo. Seu conhecimento em administração pública e seu bom relacionamento com os segmentos empresariais, políticos, classes profissionais, assim como com os fazendários, são requisitos primordiais para atuação na alta gestão fazendária. Fortalece-lhe ainda o tempo que permaneceu na assessoria de Gavazzoni, aproximando-o da cúpula do Executivo estadual.

O pedido de Lacerda

Ciente da triste realidade econômica e política por que passam os Estados brasileiros, Lacerda lança um desafio conclamando apoio: “O ano de 2016 foi bastante difícil para o nosso país e, por consequência, também para nossa casa – Santa Catarina. O ano que se aproxima será igualmente desafiador. Teremos novos desafios, para encararmos juntos”. E conclui: “Vamos precisar de todo mundo pra cuidar da nossa casa”.

Mudanças na Tributação

A alternância também se deu na Diretoria de Administração Tributária (Diat), considerada a base de sustentação do governo, pelo seu poder arrecadatório. O auditor fiscal Carlos Roberto Molim deixa seu posto para reforçar a já consolidada banca de conselheiros, em defesa da justiça fiscal, nos processos de reclamação junto ao Tribunal Administrativo Tributário. Com poucos anos de casa, porém com uma performance de veterano, o auditor fiscal Júlio César Fazoli assume a Diat, à qual prestou assessoria. Mas o desafio não o intimida. Pelo contrário, chega fortalecido e apoiado pela classe e respaldado pela alta administração.

Esfaz no contexto

Nas trocas de comandos, quando os pensamentos não convergem, podem ocorrer rupturas. Em se tratando de órgão subordinado ao Gabinete do Adjunto, entende-se que os projetos devam permanecer. Ainda não se conhece a opinião do titular. Todavia, pelo seu trilhar fazendário, acredita-se muito no fortalecimento da instituição. Quanto ao futuro diretor, numa conversa quando da reunião do Confaz, em Palmas-TO, pôde-se perceber o grande interesse em dialogar com a Escola Fazendária (Esfaz) e dessa forma inserir o maior contingente (de interessados) no campo da capacitação.

A fala de Gavazzoni

O secretário da Fazenda observa que “ao honrar seus compromissos com os servidores, o governo do Estado dá mais uma demonstração de força em um ano marcado pela grave crise econômica que derrubou a economia dos Estados”. E prossegue: “Conseguimos seguir rigorosamente o calendário de pagamentos ao longo do ano e, mais uma vez, antecipamos o salário de dezembro. Esta é certamente uma prova da gestão pública diferenciada que temos em Santa Catarina”. Dentre as suas promessas, a de que em 2017 também não haverá aumento de impostos no Estado. Prêmio aos empresários e consumidores.

Refletindo

“Que os futuros políticos e gestores se espelhem em quem pratica a honestidade, ética e a simplicidade. Em sendo assim, irradiarão a todos a luz da esperança em 2017”. Uma ótima semana!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *