Eficiência na gestão pública

Quarta-feira, 26/10/2016, às 06:00

São frequentes as preocupações com o uso dos recursos naturais, que se reduzem a cada ano, devastando o ecossistema. Como resposta, a própria natureza reagindo à agressão da raça humana com tempestades atingindo locais até então considerados impossíveis de serem atingidos.

Fatos semelhantes vêm corroendo organizações públicas e privadas, e antes que pereçam atitudes firmes e respostas urgentes devem ser tomadas, revitalizando-as. Mas para que isso aconteça são necessárias pessoas comprometidas e conhecedoras das causas, a exemplo do que ocorreu no 1º Ciclo de Palestras e Cases sobre Inovação e Eficiência na Gestão Pública, na última segunda-feira. A oficina de Gerenciamento de Processos e Negócios que vinha sendo trabalhada no âmbito da Secretaria da Fazenda estende-se a todo o Poder Executivo estadual, via Decreto 912 de 21/10/16. O evento teve como proposta apresentar aos participantes informações que pudessem contribuir para a inovação e a eficiência na gestão pública brasileira, tendo a sociedade como foco central de discussão.

 

Temas abordados

Com o auditório Pedro Ivo tomado por autoridades, servidores, professores, alunos e cidadãos comuns, iniciou-se o evento com a palestra do secretário da Fazenda, Antônio Marcos Gavazzoni, “Crise e Oportunidades: dois lados da mesma moeda”. Deixando como mensagem: “Menos pessoas e mais inteligência é o que vai garantir o futuro da administração pública”. Seguiram-se outros seis renomados palestrantes das áreas pública e privada. Leandro de Jesus, com a palestra “Construindo as organizações públicas do século 21”, afirmou que a União oferece cerca de 2 mil serviços, em sua maioria feitos de forma manual: um buraco negro para o cidadão. E completa: para o governo as transações on-line custam 97% a menos que as presenciais. Na sequência, Luiz Miyadaira Ribeiro Jr., com o case “Plataforma de Cidadania Digital”, expressou-se ao final: não faça parte do passado que se fecha, mas do futuro que se abre.

Temas abordados 2

Os trabalhos tiveram sequência no período da tarde com Álvaro Mello e “O teletrabalho nas organizações públicas”. Para ele, hoje se trabalha de qualquer lugar, a qualquer hora. Basta ter um smartphone. Mauricio Bitencourt abordou “Melhoria e Transformação Digital de Processos, Casos e Decisões”. Afirmou que o Estado é essencialmente serviço, e portanto é muito mais fácil digitalizar. Maurício de Castro apresentou o case “O impacto da tecnologia da informação na melhoria de processos e na otimização do desempenho das organizações”. Para ele, pelo trabalho percebeu-se que os hospitais deixavam de arrecadar em virtude da deficiência no faturamento, por isso mapearam os processos. O resultado rendeu materiais e medicamentos para 1,8 milhões de atendimentos. Por último, Denilson Sell, professor da Udesc, com a “Gestão do conhecimento e a inovação governamental”, que em sua fala registrou: a gestão de pessoas deve ter estratégia alinhada com a gestão do conhecimento. O ser humano é avesso às mudanças, por isso os argumentos devem ser muito concretos.

Objetivos alcançados

Para a coordenadora e contadora da Fazenda Alexandra Dias, “ao promover a disseminação do modelo de gestão de processos no governo do Estado de Santa Catarina e compartilhar as boas práticas com foco na inovação e na eficiência, alcançou-se o objetivo do evento”, que contou com a participação da assessoria de comunicação e da Escola Fazendária.

Refletindo

Lembrete para quem vota no segundo turno no próximo domingo: seja crítico, mas não deixe de usar o que lhe foi posto em mãos como arma democrática – o voto. Uma ótima semana!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *