Contabilizando para o cidadão

destaque3

Quarta-feira, 04/05/2016, às 06:00

Em evento realizado no Sindicato dos Contabilistas de Tubarão e Região, no último sábado, o presidente Lecir Ghisi reuniu os profissionais, familiares, acadêmicos convidados da Universidade do Sul de SC (Unisul) e da Faculdade de Capivari (Fucap) e imprensa para celebrar, com almoço, a conclusão da empreitada sobre a declaração de Imposto de Renda da Pessoa Física. Na oportunidade, o vice-presidente do Conselho Federal de Contabilidade, contador Sérgio Faraco, falou sobre a valorização da profissão, a começar pelos próprios contabilistas, e o presidente do Conselho Regional de Contabilidade, o contador Marcelo Seemann, comentou sobre o projeto “contabilizando para o cidadão”, que será lançado hoje em Florianópolis.

Para Seemann, “produzir análises e traduzir para a sociedade os dados disponíveis sobre a gestão pública são novos desafios que se apresentam ao profissional da contabilidade no contexto atual de clamor por uma gestão pública eficiente e de combate à corrupção”.
Nesse sentido, o CRC-SC inicia o projeto Contabilizando para o Cidadão. Duas vertentes a serem trabalhadas: elaborar e divulgar informações em linguagem de fácil compreensão sobre a situação da gestão e finanças públicas; e capacitar pessoas no desenvolvimento de habilidades de análise e avaliação das finanças públicas dos governos federal, estaduais e municipais. Com tema da hora, espera-se que os cidadãos colham os frutos por meio do aprendizado.

Ajustes aos têxteis

Representantes da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) e das indústrias têxteis reúnem-se nesta tarde com o secretário-adjunto da Fazenda, Almir Gorges, para tratar de “ajustes na legislação do setor”. O ingresso de produtos estrangeiros estrangulou o mercado interno, gerando problemas na indústria, que foi socorrida pelo Estado através da concessão de benefícios fiscais. Desta feita, o governo quer a contrapartida na compra de pelo menos 25% de matéria-prima de fornecedores catarinenses. O momento será palco para outros pleitos e também de prováveis ajustes, mas o setor terá que corresponder ampliando a arrecadação dos R$ 800 milhões/ano.

Correção de engodo

As propostas dos pretendentes a cargos eletivos são recheadas de boas intenções. Vejam o caso da presidente Dilma, que está sofrendo processo de impedimento. Dentre as promessas em 1º de maio, corrigir em 5%, para 2017, a tabela de imposto de renda da pessoa física, a mesma que vem corroendo sua receita. As pesquisas indicam que ao longo dos anos a defasagem na tabela ultrapassa os 70%. No “pacote da bondade”, muito engodo e até desespero, enterrando ainda mais a política econômica, que pode ser chamada de 10%: mesmo percentual da queda do Produto Interno Bruto, de alta da inflação e do desemprego (11 milhões de trabalhadores).

Nota Fiscal eletrônica

Haverá, na Escola Fazendária, capacitação técnica para funcionários dos sindicatos rurais filiados à Federação da Agricultura e Pecuária de SC (Faesc), que tem como objetivo disseminar as informações relativas à Nota Fiscal Eletrônica de Produtor Rural. O coordenador e ministrante, Émerson Gava (Senar), afirma que serão capacitados 80 participantes, com o apoio da Secretaria da Fazenda. Um dos alunos sugeriu que os secretários de Agricultura participassem do evento para melhor conhecerem os procedimentos, pois os resultados irão refletir positivamente na arrecadação de impostos, por meio do movimento econômico.

Trabalho de “caridade”

O colega Pedro José da Silva, auditor fiscal da receita estadual, em sua trajetória na Secretaria da Fazenda deixou um grande legado, recebendo, então, uma bela homenagem quando da sua aposentadoria. O Silva, dos bons, e sem o auxílio de Ong’s, continua desenvolvendo novas atividades na ASSOCIAÇÃO DE VOLUNTÁRIOS DO HOSPITAL DE CARIDADE, como tesoureiro.  A bicentenária “casa” caridosamente acolhe cidadãos de todos os cantos do estado e como a saúde anda muito mal das pernas, também pede socorro. A capela Menino Deus abriga a imagem do Senhor Jesus dos Passos, referência na procissão que aglutina multidões na Quaresma e que é tombada como patrimônio cultural e imaterial do Estado. Agradecendo pela ajuda financeira recebida, o tesoureiro segue na luta em busca de mais auxílios de qualquer monta. Os recursos arrecadados serão para adquirir e pagar os medicamentos e materiais utilizados pelo Hospital de Caridade, especialmente os empregados no tratamento dos pacientes do Sistema Único de Saúde – SUS. Para contribuir, os valores deverão ser depositados em nome da ASSOCIAÇÃO, no Banco do Brasil, Agência 5201-9, Conta Corrente: 10.159-1 e CNPJ 16.983.400/0001-02. Um verdadeiro ato de caridade.

Refletindo

“O espírito guerrilheiro que pretendia uma ditadura cubana para o Brasil tende a renascer.” Ives Gandra Martins, jurista, sobre a presidente Dilma tratando de golpe das instituições – Congresso e Supremo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *