A importância da Cooperação

cooperação

Quarta-feira, 23/09/2015, às 06:00

Projetos vitoriosos têm no nascedouro bons planejamentos e são supervisionados por pessoas ou instituições comprometidas. A operação “Mãos Limpas”, que desmantelou o maior esquema de corrupção do governo italiano na década de 90, teve a contribuição de várias frentes; de dissidentes, delatores a membros do serviço público – promotores e juízes, onde alguns perderam a própria vida (assassinados).

Fato semelhante vem ocorrendo com a operação Lava Jato, a que carreou recursos públicos da estatal Petrobras. Aqui, graças à força-tarefa do Poder Judiciário, Ministério Público e Polícia Federal, com a colaboração de delatores para redução de penas, caminha para desfechos animadores.

Corroborando com esses princípios, representantes de 21 Secretarias Estaduais de Fazenda e da Receita Federal trabalham aparelhados e na mesma linha; a estratégia é de junção de forças. Diante disso, promovem, de 23 a 25 do corrente, a 11ª reunião de inteligência com o tema “A importância da cooperação”. No primeiro dia, na presença de autoridades e convidados, dois assuntos serão abordados: a Operação Lava Jato e a integração das forças do Estado no combate à criminalidade. Nos demais dias, os temas serão reservados aos processos internos da inteligência.

Combate às fraudes

O encontro previsto no protocolo de cooperação celebrado entre os Fiscos dos Estados e do governo federal tem como objetivo a troca de experiências, a capacitação dos auditores fiscais, o intercâmbio dos profissionais da área e o planejamento de ações conjuntas. A reunião que acontece anualmente é realizada com apoio logístico da Escola Fazendária. A cooperação entre as instituições tem proporcionado a identificação e o combate de fraudes.

Auditor Fiscal

No dia dedicado a São Mateus, um dos 12 apóstolos de Jesus e que antes fora responsável pela arrecadação de tributos na sua região, e em sua homenagem, comemorou-se na última segunda-feira o Dia do Auditor Fiscal. Projeto de autoria do ex-deputado estadual e auditor fiscal da receita estadual Renato Hinnig, em reconhecimento à categoria profissional responsável pela arrecadação. Na onda do ajuste fiscal, Santa Catarina aparece no senário nacional como lugar onde as situações econômico-financeiras caminham nos trilhos. Diga-se de passagem: a fatura política na mídia deve-se muito ao quadro de servidores e, no que se refere à receita, aos auditores fiscais do qual este colunista se orgulha de participar.

Contador

No dia seguinte foi a vez dos profissionais da contabilidade, que arduamente lutam para que as contas não saiam do controle. Na inciativa privada, são os responsáveis pelo sucesso das empresas e que, em muitos casos, pagam pelo fracasso devido à negação ou à teimosia dos “patrões”. No serviço público, embora gestores não sejam proprietários, tem aqueles que só enxergam projetos peculiares, independentemente da origem dos recursos. Resguardando a gastança, entram em cena os defensores das despesas e dos controles. Dentre os guardiões do cofre, os contadores públicos. Os louros do sucesso a todos esses profissionais pelos serviços prestados a Santa Catarina e com reflexos diretos em toda a sociedade.

Refletindo

“A lava-jato trabalha que nem roda dentada que esmaga a cana. Devagar, vai puxando e espremendo tudo e os acusados suando frio com a proximidade da roda à frente”. Desabafo de um internauta. Uma ótima semana!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *