O compartilhamento na Gestão de Pessoas

gestao

O compartilhamento na Gestão de Pessoas

Muito se tem investido na fiscalização, arrecadação e, mais recentemente, no controle e na auditoria dos recursos aplicados. Mas a estratégia adotada vem abrindo espaço para outro ingrediente de suma importância. Quem está por trás dessas ações? Avançam as administrações fazendárias que trabalham a gestão de pessoas como estratégico. E nisso há que se ter unanimidade, pois sem ela os demais setores não caminham com a mesma desenvoltura.
Baseado nas necessidades e olhando para o setor privado, que investe significativamente, o GDFAZ – Grupo de Desenvolvimento do Servidor Fazendário acolheu, dentre as prioridades para 2014, a elaboração e a implementação do planejamento estratégico de gestão de pessoas nas respectivas Secretarias de Fazenda. Dentre os quesitos, o planejamento para execução, em 2015, do “1º Congresso Nacional de Gestão de Pessoas das Administrações Fazendárias”; estreitar a relação dos grupos temáticos do Confaz – Conselho Nacional de Política Fazendária; incentivar a implantação de ensino a distância; divulgação dos indicadores de gestão de pessoas; curso a distância de 180 horas de gestão de pessoas, entre outros.
Durante a 52ª reunião do GDFAZ, ocorrida nos últimos dias 10 e 11, em Porto Alegre, foram substanciais as participações de membros da COGEF – Comissão de Gestão Fazendária e da Esaf – Escola de Administração Fazendária. No estreitamento das relações, o comprometimento de compartilhar as ações no campo da gestão de pessoas.

Qualificação dos gerentes da DIAT

Em reunião de trabalho realizada na Escola Fazendária, entre segunda e terça, os gerentes da Administração Tributária participaram de palestra/capacitação com o título “Liderança Transformadora”. Durante quatro horas, o consultor Silvio Jardim detalhou sobre o papel do líder na gestão de pessoas. O gerente, em seu quadrante de atuação, depara-se com problemas internos e externos e tem que usar de ferramentas para saná-los. Por se tratar de trabalho massivamente técnico na busca de arrecadação, o ter suplanta, em muito, outro lado em suas necessidades básicas de atenção que é o ser. A sabedoria está em identificar o potencial, o ritmo de cada pessoa para pô-la no lugar certo e realizar suas atividades a contento. Produzindo com realização e satisfação o resultado, será muito melhor. Algumas prerrogativas inerentes ao gestor, como a forma de desenvolver a comunicação assertiva, que gere confiança e alcance resultados, agregando e conquistando colaboradores; trabalhar as questões com firmeza e as pessoas, com serenidade. Lembrando que a liberdade do gestor no serviço público é limitada. Quanto mais se eliminam os desperdícios e reduzem-se as ações operacionais, maior tempo será destinado aos estratégicos, potencializando os novos desafios. Um outro é a eliminação, ao máximo, dos ruídos na comunicação, que só geram conflitos. A qualificação dos gestores da Diat será o azeite da máquina arrecadadora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *