Talentos da Fazenda

retencao-profissional-carreira-talento

Talentos da Fazenda

Conhecida pela sua massa pensante, a Secretaria da Fazenda do Estado tem um quadro relativamente maduro. Num levantamento atual da Gestão de Pessoas, hoje, 30% já dispõe de tempo para aposentadoria e em cinco anos chega-se à metade do quadro. Preocupante em todos os aspectos quando a situação não se restringe somente ao fisco. Enquanto vagas não são preenchidas, por concurso público de provas, “fazer o mais com menos”, jargão muito utilizado pela presidente Dilma, tem sido a fórmula salvadora. A tecnologia da informação vem contribuindo com a equação, assim como remanejamentos, capacitação direcionada e tantos outros quesitos para superar a necessidade das pessoas em suas funções.
Mas chega um momento que elas vão literalmente para casa, deixando a vida pública. Pior de tudo que os conhecimentos, os procedimentos seguem junto, deixando um vácuo enorme, prejudicando ainda mais o questionado serviço público pela burocratização e, por vezes, pela indiferença e não profissionalismo de poucos. A saída recente dos companheiros Vânio Matos, Airton do Amaral, Brani Besen e Inácio Erdthamn (da carreira de auditores fiscais) acendeu a luz amarela.
O próximo exercício reserva à Escola Fazendária a condução de processos que retenham os talentos para que os conhecimentos não se percam com o tempo. Que as pessoas, ao optarem pela aposentadoria, deixem as sementes e que outros possam cultivar e propagar os conhecimentos, frutificando os talentos da Fazenda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *